Professora de Biomedicina elucida dúvidas sobre a doação de sangue

Professora de Biomedicina elucida dúvidas sobre a doação de sangue

Professora de Biomedicina elucida dúvidas sobre a doação de sangue

Dia 25 de novembro é celebrado o Dia Nacional do Doador de Sangue e, para que você entenda o significado de ser um doador, entrevistamos a professora do curso de Biomedicina da DeVry | Fanor, Marielle Pires Quaresma. Tire suas dúvidas acerca da doação e se inspire a se tornar um.

  • O que é preciso para ser um doador de sangue?

Ser Doador de sangue é muito fácil, precisa-se atender apenas a alguns requisitos, como: estar em boas condições de saúde; ter entre 18 e 69 anos e pesar, no mínimo, 50 kg. 

Podemos ressaltar alguns impedimentos temporários que são frequentes, por exemplo: ter feito tatuagem ou maquiagem definitiva nos últimos 12 meses e possuir comportamento de risco para doenças sexualmente transmissíveis. Mulheres durante o período gestacional também não podem doar, só podem 90 dias após parto normal e 180 dias após cesariana.

Algumas doenças podem levar a um impedimento temporário ou definitivo. Por exemplo, no caso de resfriado, o doador deve aguardar pelo menos sete dias após desaparecimento dos sintomas. Já se tratando de zika e chikungunya, deve-se aguardar pelo menos 30 dias após o desaparecimento total dos sintomas. Para enfermidades que inviabilizam de forma definitiva a doação de sangue, temos a hepatite contraída após os 11 anos de idade do individuo, malária, AIDS (vírus HIV), males associados aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas.

  • Onde posso fazer a doação?

Você pode doar diretamente nos órgãos especializados - como centros de hematologia e hemoterapia presentes em todo o país; mas existem também os postos de coletas de sangue que são móveis e representam mais uma alternativa para o doador - pesquisa em sites oficiais do governo e informe-se sobre os possíveis itinerários na sua cidade.

  • Como posso me preparar antes? 

Existe um preparo adequado para as 24 horas que antecedem a doação: é imprescindível que o doador esteja descansado (tenha dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24h); esteja alimentado, mas que não tenha ingerido alimentos gordurosos nas útlimas quatro horas antes de doar sangue e nem tenha ingerido bebida alcoólica nas últimas 12.

No dia da doação, é necessário apenas apresentar documento original com foto recente, que permita a identificação do candidato, emitido por órgão oficial (Carteira de Identidade, Cartão de Identidade de Profissional Liberal, Carteira de Trabalho e Previdência Social), e proceder à doação. Lembrando que se o individuo tiver entre 16 e 18 anos incompletos, a doação só poderá ser realizada mediante consentimento dos pais ou responsáveis legais.

  • Quais as vantagens de ser um doador?

Além de ser um gesto solidário e ajudar a salvar vidas, o doador também contribui para a ciência e dispõe de alguns benefícios já previstos em lei. Segundo a Lei n° 219/09, os doadores voluntários de sangue têm direito ao mesmo atendimento dos idosos em filas de bancos e no âmbito da Justiça Estadual, com relação à prioridade. O doador também tem 50% de desconto na entrada de estabelecimentos de diversão ou cultural, como também de atividades recreativas. Alguns concursos públicos podem isentar o beneficente da taxa de inscrição, ou mesmo utilizar a ação como critério de desempate.

Além disso, antes de fazer a doação, você passa por uma triagem e realiza alguns exames para saber se você pode ou não doar seu sangue. Esses exames são feitos de forma gratuita e você tem acesso aos resultados depois. Caso você não seja apto para doar sangue, o motivo é informado, podendo ser tratado com mais facilidade. No entanto, para ter direito aos benefícios, o indivíduo precisa possuir a carteira de identificação do doador, fornecida pelos hemocentros e bancos de sangue. A carteira tem validade de até um ano.

Relacionadas